Programa de incentivo do Governo e do Sebrae atrai 725 pequenos negócios em 2 meses

Apoio à inovação tem a participação da Codemig, que se junta ao Sebrae para financiar consultoria especializada às empresas que queiram inovar produtos ou processos

O Programa Codemig de Incentivo ao Micro e Pequeno Empreendedor, lançado no fim do ano passado, atraiu 725 pedidos de consultoria tecnológica e de inovação em um período de apenas dois meses. 

A iniciativa estimula a inovação, vista como essencial à sobrevivência e ao crescimento de empresas dos mais diferentes segmentos, e tem a parceria entre a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae Minas).

O volume total de recursos chega a R$ 40 milhões, que estão sendo destinados a consultorias tecnológicas a projetos ligados a setores como biotecnologia e economia criativa (design, moda, gastronomia e audiovisual), por meio do programa Sebraetec.

O convênio entre Sebrae e Codemig tem o objetivo de fomentar e fortalecer as micro e pequenas empresas (MPE) e os microempreendedores individuais (MEI), a fim de aumentar a participação desses segmentos no Produto Interno Bruto (PIB) estadual e nacional. 

O Programa Codemig de Incentivo ao Micro e Pequeno Empreendedor foi estruturado a partir de cinco pilares:

– promover o fortalecimento das MPE, fortalecer a inovação como diferencial competitivo;

– propiciar um ambiente favorável à sobrevivência dos micro e pequenos negócios;

– criar condições para crescimento;

– estimular a diversificação da economia do estado a partir da geração de emprego e renda. 

Expectativa de atender 15 mil empreendedores

O Sebraetec é um programa consolidado, pois teve o seu início na década de 1990. Os custos das consultorias — eram até o ano passado — divididos entre o Sebrae (50%) e as empresas (50%). Com a entrada do Governo do Estado na parceria, no novo edital, a divisão mudou para facilitar a vida do empreendedor que vê na inovação o caminho para novas oportunidades.

Assim, a Codemig passou a desembolsar 40%, o Sebrae 40%, enquanto as empresas investem 20%. Essa nova fórmula tem atraído um número significativo de empresas dos quatro cantos de Minas Gerais, por meio das nove regionais do Sebrae. 

Foram 725 atendimentos abertos do fim de fevereiro até abril, sendo 24 já finalizados com a consultoria concluída. A expectativa é de atender 15 mil interessados em inovação.

O edital continuará aberto até 17 até janeiro de 2018, mas recomenda-se que as empresas interessadas em inovação se apressem e busquem o atendimento do Sebrae em sua região.

O Governo do Estado acredita ser esse um caminho eficiente de contribuir decisivamente para o crescimento dos pequenos negócios, levando-os a uma posição de referência no Brasil.

De acordo com o analista do Sebrae Minas, Marcelo Bonifácio Peres, em fevereiro foi realizado o encontro estadual do Sebraetec com as entidades aptas a prestar consultorias em inovação e tecnologia. A partir daí foi possível começar a receber os interessados no programa. 

Passo a passo para se beneficiar da consultoria

Os empreendedores interessados em ter acesso à consultoria tecnológica subsidiada devem procurar o Sebrae de sua região.

Os projetos aprovados são encaminhados da seguinte forma: o Sebrae aciona uma entidade parceira, que possua expertise na área demandada pelo projeto. A entidade terá cinco dias para montar uma proposta de consultoria baseada nas necessidades da pequena empresa ou do microempreendedor individual.

Caso a proposta seja aprovada, o trabalho é desenvolvido até a conclusão da consultoria. Nos anos de 2015 e 2016, o design foi a principal demanda entre todas as áreas temáticas oferecidas pelo programa Sebraetec.

Há duas semanas, a Kud Cervejaria – instalada no Jardim Canadá, em Nova Lima, desde 2010 – teve a sua consultoria concluída por uma entidade do Rio Grande do Sul, credenciada no programa mineiro.

Foi desenvolvido um trabalho de branding (gestão de marcas) para a cervejaria. Segundo Bruno Parreiras, sócio proprietário da cervejaria, a empresa não dispunha de recursos para investir sozinha no projeto, mas com o programa da Codemig e do Sebrae, isso tornou-se possível.

“O resultado foi surpreendentemente positivo, com a consultoria materializando tudo o que pensávamos sobre o conceito de cerveja”, afirma Bruno.  A expectativa da empresa, a partir de agora, é poder utilizar as informações para ampliar a produção e crescer no mercado.

A cervejaria tem quatro empregados e dois dos cinco sócios trabalham full time no empreendimento, que produz de 8 mil a 12 mil litros de cerveja por mês.

Outro caso de sucesso na consultoria tecnológica foi para a startup de Vítor Augusto Baldi Antonino, recém-formado em engenharia de Controle e Automação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).

Ele desenvolveu um dispositivo que deve ser conectado a uma plataforma web para que o idoso gerencie corretamente o uso de medicamentos. Por meio de alarmes sonoros e visuais, o equipamento alerta para o horário de ministrar a medicação e ainda envia as informações aos familiares do idoso.

“Ao procurar o Sebrae, tivemos a consultoria de um designer que fez do nosso protótipo algo bonito e funcional. Se não fosse o programa, que tornou o custo do projeto mais acessível, eu não teria como chegar a esse ponto”, diz Vítor.

O equipamento está na fase final de testes com cinco idosos e o próximo passo é conseguir investidores que apostem na produção do produto, que poderá chegar ao mercado até o fim de 2017.

Custos da consultoria ficam reduzidos

A maior parte das demandas pelas consultorias do Sebraetec tem sido nas áreas de inovação e tecnologia, embora haja uma procura menor por gestão. Os valores das consultorias diferem. “Quando há ‘demanda de orientação’ ela é menos complexa, inclusive no que se refere a tempo e pode chegar a R$ 10 mil.  Quando a ‘demanda é de adequação’ — consultoria mais avançada em tecnologia — o investimento pode chegar a R$ 30 mil”, detalha o analista do Sebrae, Marcelo Peres.

Os pequenos negócios pagam apenas 20% desses valores, o que tem facilitado a inserção no programa.

O Sebraetec Minas tem hoje 55 entidades credenciadas por meio do edital aberto no fim de 2016, entre elas estão 18 unidades do Senai e diversas fundações, sendo algumas delas ligadas a universidades. Existem credenciadas no programa mineiro até de outros estados.

“A escolha da entidade para uma consultoria se dá pelos técnicos do Sebrae, levando em consideração cada projeto, suas características e as necessidades de quem procura o programa em busca desse apoio”, conclui Peres.

Esse post foi publicado em Noticias de Minas Gerais. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s